quarta-feira, 2 de junho de 2021

Pai de Neymar se diz vítima em processo e ameaça devolver mansão da família.

 


Neymar da Silva Santos, pai do jogador do PSG, ingressou de forma espontânea na Justiça para se defender em uma ação movida pelo condomínio Associação Residencial Alphaville 2, localizado na Grande São Paulo, onde a família tem uma mansão. Ele afirmou ser vítima no processo que aponta irregularidades em uma reforma no imóvel e pediu à Justiça pela resolução do contrato — termo jurídico usado para quebra de contrato por descumprimento de obrigações — caso irregularidades sejam confirmadas.

Por meio de seus advogados, Neymar pediu à Justiça que, caso considere procedente o pedido do condomínio na ação, de adequações ou demolição de áreas do imóvel, julgue procedente também a devolução de todos os valores pagos, corrigidos, e ainda acrescidos de eventuais prejuízos. O valor do imóvel entrou em sigilo no processo. Na escritura, consta R$ 2,1 milhões pagos pelo antigo proprietário. Na internet, é possível encontrar casas no condomínio por até R$ 7 milhões.

O empresário diz que a casa não está em obras, ao contrário do que o condomínio afirma no processo. E, segundo ele, se a construção estiver, de fato, irregular, ele é vítima. Em sua defesa, Neymar diz que adquiriu o imóvel pronto e acabado, sem ter realizado qualquer reforma ou intervenção. Ele acredita que o condomínio já tinha conhecimento das irregularidades desde 2019, antes da compra do imóvel, mas não cumpriu com sua obrigação de avisar sobre os problemas e o deixou vulnerável.

Além disso, a defesa do empresário diz que ele é mero possuidor direto do imóvel, pois ainda existem obrigações contratuais não cumpridas com os antigos proprietários. Por isso, pediu pela inclusão dos vendedores na ação. Segundo ele, o contrato tem cláusulas que o protegem de incidentes como reclamações judiciais. Gustavo Xisto, advogado da família de Neymar há anos, e que os defende no processo, confirmou as informações da contestação enviada à Justiça.

O condomínio foi ao Judiciário protestar contra obras realizadas no local. Diz que já alertava o proprietário anterior sobre irregularidades. A alegação é que as reformas foram executadas sem se ater ao aprovado no projeto. No passado, a Prefeitura de Barueri fiscalizou a obra e constatou irregularidades, afirma o condomínio, que alega que Neymar assumiu a responsabilidade de recompor a construção do imóvel da forma aprovada na planta — informação rebatida na contestação.

Jorge Damus, gerente geral do Residencial Alphaville 2, disse que o local tem como política a não manifestação de seus assuntos internos com a imprensa. Ainda pediu que, caso tenha informações sobre este assunto por outros meios, divulgar sua fonte, para que não seja mencionado que a informação partiu da associação, alinhada com a Lei Geral de Proteção de Dados. O processo é público. Em sua última decisão, a Justiça pediu que o condomínio se manifeste sobre a contestação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Câmara esclarece os motivos do atraso nas devoluções das inscrições do concurso público cancelado de 2020

  Desde o último dia 1º de julho, deveria ter sido iniciado o reembolso dos valores das inscrições dos candidatos que se inscreveram no conc...